segunda-feira, 20 de março de 2017

Porque falamos de felicidade...

Hoje que se comemora o Dia Internacional da Felicidade, tinha que partilhar convosco algumas palavras felizes.

Umas palavras breves, mas que sintetizam com muito ou um pouco aquilo que é importante para podermos considerar a Felicidade.

Antes de tudo, o próprio conceito: O que é ser Feliz? O que é a Felicidade?

Cada um de nós tem e deve ter o se próprio conceito. Felicidade não é algo colectivo, embora se possa colectivas e partilhar e viver a felicidade pela percepção do outro, dos outros que nos rodeiam. mas tudo isso deve ser feito na unicidade da nossa interpretação.

Porque só nós sabemos e podemos saber se e quanto somos felizes. Só nós sabemos e podemos saber e sentir aquela sensação que só nós explica o que é a felicidade.

A mim, transmite-se com uma leveza. sinto o corpo leve como uma pena. Sinto o peito leve como se só feito de ar. Sinto uma energia radiante a espalhar-se pelo corpo e fazer sentir uma paz inexplicável no corpo e na mente.

Existem técncias milenares que ajudam a encontrar e explicar a felicidade. E estando tão certas para mim, que tentam com que sintamos tudo o que descrevi, são por vezes tão utópicas, porque as tentamos sentir pela mente e não pelo coração.

É daí que vem a felicidade. Da conexão que fazemos com as coisas. Como as vivemos, como nos tocam e nós as tocamos, como se traduzem num significado tão simples de perceber que se funde com o ar que inspiramos e expiramos.

Na verdade, muitas vezes procuramos coisas para nos fazer felizes com a mente: o carro ou a casa nova, o último grito da moda, uma conta recheada e uma carreira com alguns títulos antes do nome e assinaturas pomposas no email.
Mas não nos sentimos em propósito... e fica a faltar qualquer coisa, e a correria para a felicidade continua porque a mente não para de a tentar medir e comparar com a felicidade alheia.

Não quero com isto dizer que a felicidade para ti não passe por estas coisas. Pelo contrário. S
e assim te fizer sentido, claro que sim, é felicidade!
Mas felicidade sente-se com o coração.
Sente-se quando somos apaixonados por aquilo que fazemos e sentimos essa paixão em cada célula, quando o entusiasmo da conquista supera qualquer outra comparação com o que ainda não se fez.

Felicidade é conectar com os resultados, sejam eles o tal papel, ou a brisa quente que nos toca na pele e nos lembra o verão, com tudo o que ele para nós significa, dentro das suas histórias dentro de histórias.
Felicidade é sentir uma alegria imensa dentro do corpo, maior que a nossa qualquer intenção, quando vemos uma paisagem bonita, uma criança a sorrir, ou o olhar de quem nos ama.
Felicidade é sentir um formigueiro de contente porque alguém, além de nós, fez algo maravilhoso e que me merece o nosso agradecimento e orgulho por assistir. Mesmo que não o conheçamos.
Felicidade é respeitar a nossa essência, rir com ela, e valorizarmos o que ela nos faz ganhar.
Felicidade pode ser tudo e tão pouco.
Felicidade pode ser uma ou muitas coisas.
Mas felicidade apenas ou tanto é como aquilo que tu assim definires que te faz feliz e permitires essa felicidade em ti.

Para mim, sentir felicidade é congelar em breves instantes o momento, com um gelo quente e aconchegante da alegria, da paz dentro de mim.
Para mim felicidade é o momento e tudo o que ele me permite ser mais eu, hoje e amanhã.

E para ti? O que é a felicidade?


Com amor,
Judite

Sem comentários:

Enviar um comentário