sábado, 2 de janeiro de 2016

Palavra vinda do coração: Gratidão!

Vivemos num tempo em que a palavra Gratidão está a ganhar um território no coração das pessoas. Cada vez mais ouvimos falar de estar grato, lemos mensagens de Gratidão e vemos mensagens inspiradoras, em volta desta palavra.

Se tínhamos uma sociedade em que não se falava deste sentimento, em que o “vai-se andando” era a sinfonia principal, as redes sociais colocaram a palavra Gratidão em destaque.

Mas quais são os sentimentos e os motivos que movem esta Gratidão?

Será que cada vez mais as pessoas têm consciência de si, da essência da vida, do seu propósito? Ou estamos numa onda contagiosa, por uma palavra que soa bem dizer, e que nos chegou do outro lado do oceano, de gentes mais pregadoras das suas fés?

Dizem os entendidos do holístico e da fé, que esta consciência está cada vez mais presente na nossa sociedade. Mas esta onda de Gratidão é resultado de uma consciência coletiva contagiosa ou da soma de todas as consciências individuais que, cada um à sua maneira, contribuem para uma vida de apreciação de cada propósito?

Quando ouço, leio, vejo a palavra Gratidão, o meu coração acelera, o meu corpo reage com “pele de galinha” e fico positivamente emocionada. Na verdade, acredito em todas as boas intenções, e transporto-me para um mundo em que isso realmente acontece… em que somos gratos e que contribuímos todos os dias para que exista Gratidão…

Mas nem sempre a expectativa sobre este turbilhão de emoções é correspondida com realidade. Por isso as minhas questões:

Somos gratos por que o sentimos, contribuímos porque é o nosso propósito… ou apenas porque queremos estar nesta onda de Gratidão?

O que fazemos no nosso dia a dia para que tudo isto aconteça?

Quantos de nós, pregadores da Gratidão, param para olhar realmente em volta e contribuir, com um pequeno gesto que seja, para que o dia de alguém seja melhor?

Quantos de nós, pregadores da Gratidão, desejam e contribuem que os outros se possam sentir tão gratos?

É ótimo viver num mundo em que existe Gratidão, onde é possível senti-la. Mas é preciso que ela realmente exista, principalmente nas pequenas coisas.

Não me sinto mestre neste tema, mas tento todos os dias fazer cumprir não a palavra, mas o seu significado. Não saio de casa sem interiorizar o meu mantra pessoal, e quando saio à rua ponho-o em prática!

E é tão simples. E quando o faço o meu coração aquece, num calor tão agradável que me ruboriza a face. E sinto-me feliz. E sinto-me sincera e verdadeiramente grata por estar aqui.

Se partilharem Gratidão… sejam realmente Gratos!

Com amor,
Judite <3





Sem comentários:

Enviar um comentário